3 dúvidas respondidas sobre conforto térmico na arquitetura

4 minutos para ler

Toda pessoa deseja se sentir bem nos espaços que frequenta, o que inclui o próprio lar, o local de trabalho e as áreas dedicadas ao lazer. Parte do trabalho dos arquitetos é justamente garantir que isso ocorra, seja por meio de reformas em construções antigas ou pela adequação de futuras obras.

Um cuidado importante consiste em aplicar soluções de conforto térmico na arquitetura. O objetivo é garantir uma percepção positiva em relação à temperatura dos ambientes, de modo que não atinjam extremos desconfortáveis de calor ou frio.

Para isso, muitas estratégias podem ser adotadas, como um bom projeto de climatização e materiais que atuam como isolantes. Acompanhe as informações do artigo e saiba mais!

1. Qual a importância do conforto térmico na arquitetura?

Ele serve para adaptar o projeto às condições de cada estação, deixando os ambientes mais quentes no inverno e mais frescos no verão. Como nem sempre as temperaturas são iguais em todos os lugares, também é crucial considerar o clima da região em que o imóvel está situado.

O conforto térmico faz parte do conceito de ergonomia, que é bastante estudado na arquitetura por tratar das relações estabelecidas entre o ser humano e os espaços, sistemas ou elementos que o rodeiam. De forma resumida, ele tem como finalidade tornar os ambientes mais agradáveis aos usuários.

Há, inclusive, normas relacionadas a esse tema, como a NR17. Suas orientações ajudam empresas a adequar suas instalações e mantê-las minimamente confortáveis aos funcionários. O documento aborda desde as características do mobiliário até fatores ambientais, como nível de ruído e umidade.

Com relação à temperatura, por exemplo, a norma indica que o ideal é ficar entre 20°C e 23°C nos locais que demandam atenção constante por parte dos usuários. Afinal, o bem-estar nesses espaços (salas, escritórios, laboratórios) favorece o desempenho dos trabalhadores.

2. Como o conforto térmico pode impactar as pessoas ao longo do dia?

Fazer qualquer coisa — inclusive pensar — fica mais difícil quando algo nos incomoda. Isso inclui a exposição a temperaturas inadequadas, como aquelas que aparecem em dias excessivamente quentes ou frios.

Indivíduos em contato com o calor costumam sentir moleza, falta de concentração, irritabilidade, dor de cabeça e, em casos mais graves, desidratação. Aqueles que permanecem em locais muito frios podem apresentar tensão muscular, desânimo e má postura (pela necessidade de manter o corpo contraído).

Nesse sentido, quando bem trabalhado, o conforto térmico na arquitetura consegue prevenir os problemas citados e gerar impactos positivos na rotina de várias pessoas. Veja os principais:

  • aumento da produtividade;
  • maior rendimento nos afazeres;
  • melhora da saúde física e mental;
  • disposição para trabalhar;
  • diminuição de erros;
  • satisfação constante.

3. Como melhorar o conforto térmico nas edificações?

Ficou clara a necessidade de pensar em soluções que tornem os espaços mais acolhedores e propícios à realização de diversas atividades. Para isso, arquitetos têm uma série de recursos disponíveis e devem selecioná-los conforme as particularidades de cada projeto.

Confira, a seguir, algumas maneiras de garantir o conforto térmico em casas, comércios, ambientes corporativos e demais instalações:

  • planejar as cores — tons escuros absorvem calor, e tons claros refletem a luz, dissipando a energia térmica e evitando o aumento da temperatura;
  • prever tomadas adequadas para equipamentos de ventilação e climatização — aquecedores, umidificadores, ventiladores etc.;
  • priorizar materiais que atuam como isolantes térmicos — telhas cerâmicas (cobertura), mantas de lã ou fibra (paredes), placas de espuma (lajes), telhado verde;
  • investir em sistemas para controlar a entrada de luz e de ventilação natural — paredes de cobogós, cortinas espessas, prateleiras de luz e brises são ótimos exemplos;
  • instalar um ar-condicionado — há aparelhos para refrigerar todo tipo de ambiente, além de modelos que oferecem ar quente e frio (ideais para todas as estações do ano).

Perceba que há muitos recursos para trabalhar a favor do conforto térmico na arquitetura. Considerando seus conhecimentos técnicos e as novidades apresentadas pelo mercado, os responsáveis pelos projetos terão facilidade para definir qual solução ou conjunto de estratégias usar em cada caso.

Gostou do artigo? Se você ainda não acompanha o nosso trabalho pelas redes sociais, siga agora nossos perfis no Facebook, Instagram e YouTube!

Você também pode gostar